Explicando o Tipo Psicológico   

Explicando o Tipo Psicológico  

 

Segundo as teorias de Carl Gustav Jung, o tipo psicológico é definido a partir de quatro dicotomias. Há uma preferência por um polo de cada um desses pares de opostos, o qual é mais confortável e natural para um determinado indivíduo.

Assim, identificando com quais polos a consciência de um sujeito possui maior afinidade, descobrimos seu tipo psicológico. Os quatro pares de opostos dizem respeito a como usar a energia, coletar informações, chegar a conclusões e estilo de vida.

As quatro dicotomias de um tipo psicológico:

Primeira dicotomia: diz como você busca energia

Extroversão (E) – obtém energia através da interação com outras pessoas.

Introversão (I) – obtém energia a partir da reflexão e do seu diálogo interior.
Funções Mentais (S/N) (T/F)

Descrevem como acontece a busca pela informação, como ela é entendida e interpretada.

Sensação (S) – Acreditam em informações tangíveis. Se pautam pelo que já funcionou.

Intuição (N) – Preferem informações abstratas e teóricas. Gostam de inovar.

Descrevem como o indivíduo toma decisões.

Pensamento (T) – Decidem com base na lógica e são voltados para resolução do problema. Se distanciam das pessoas para tomar decisões.

Sentimento (F) – Decidem com base nas pessoas envolvidas na situação. Se aproximam das pessoas para tomar decisões.

 

Estilo de vida

Julgamento (J) – Metódicos, programados e planejadores.

Percepção (P) – Improvisadores, preferem deixar as opções em aberto e lidam bem com decisões de última hora.

 

A energia psíquica disponível para as funções mentais do tipo psicológico não tem utilidade alguma sem ser direcionada ou impulsionada. O empurrão vem de uma atitude (extrovertida ou introvertida). Uma atitude Extrovertida empurra a Sensação, Intuição, pensamento ou sentimento em direção às pessoas, coisas e ação: uma atitude Introvertida empurra a função mental em direção a ideias interiores, experiências e reflexão.

Dentre as quatro funções mentais, uma delas utiliza a maior parte de energia psíquica de uma pessoa no tipo psicológico. Esta recebe o nome de função dominante e é a função mais consciente, estando sobre um controle maior da consciência.

Logo abaixo da função dominante, em termos de energia psíquica disponível está a função auxiliar. Esta está sob um controle menor de nossa consciência, mas ela complementa e traz equilíbrio à função dominante. Os extrovertidos introvertem a função auxiliar e com os introvertidos acontece o contrário, já que eles preferem introverter e guardar para si o seu dominante e extroverter a função auxiliar.

Mais abaixo na hierarquia de distribuição de energia está a função terciária. Esta será, necessariamente, a oposta da função auxiliar. O uso desta função já está mais distante de nossa consciência, tendo menos afinidade com esta, o que torna seu uso mais difícil, desconfortável e insatisfatório. Está mais próxima do inconsciente, o que a torna mais difícil de direcionar e controlar.

Por último, a função pela qual menor quantidade de energia consciente flui, é a função inferior, o que a torna essencialmente inconsciente e aparece quando estamos em situações estressantes. Esta será sempre a oposta da função dominante.

Vale lembrar que quando estamos na função inferior, vamos para o oposto à nossa função dominante de forma negativa. Então se um indivíduo tem como dominante “sentimento”, quando está em sua função inferior, vai para o “pensamento”, se tornando extremamente mandão, frio e distante das pessoas. Em uma situação oposta, o indivíduo se tornaria extremamente sentimental, dramático e se colocaria em situação de vítima.

 

Um Pouco mais sobre o inferior – O lado negro do tipo psicológico

Sendo assim, é importante dizer que o resultado do MBTI é a combinação dos 4 polos preferenciais da consciência em cada uma dessas dicotomias. Mas isso não quer dizer que operamos a todo e qualquer momento a partir de nossas atitudes e funções preferidas. Escolhemos um dos lados e negligenciamos o outro, o que não quer dizer que estes não fazem parte de nossa personalidade. Cabe, então, entendermos um pouco melhor com esse “outro que existe em nós” se faz presente e opera.

Se a função dominante é a que mais se aproxima da consciência, é evidente que sua função oposta se aproxima mais do inconsciente. Há, portanto, um “outro em nós”, que geralmente aparece quando o inconsciente atua fortemente, enquanto a consciência perde sua força. Muito comum em momentos de fadiga ou estresse, por exemplo.

Quando acontece, dizemos as vezes que “perdemos a cabeça”, que estávamos “fora de controle” ou que foi uma situação “anormal”. Mas, na realidade, mesmo essas situações são expressões previsíveis, adaptativas e necessárias de nossa personalidade normal.

Fadiga, doença, estresse físico ou psicológico e mudanças na vida, por exemplo, são momentos bastante claros de quando o fluxo de energia da consciência perde força, abrindo espaço para a energia inconsciente operar e partes inconscientes da personalidade do indivíduo assumam o controle.

“O “outro” em nós parece sempre ser estranho e inaceitável, mas se nos permitimos ser afetados por ele, o sentimento se torna mais claro e ficamos mais ricos com este mínimo de autoconhecimento” Carl Jung

Portanto, vamos entender um pouco melhor como opera a função inferior, pois conhecendo nossas funções inferiores e como operam, podemos então nos beneficiar, entendendo como operamos nesses episódios, que podem ser curtos e rápidos, mas também podem ser longos e duradouros.

Produtos relacionados

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Apenas clientes logados que compraram este produto podem deixar uma avaliação.